Descubra os perigos da deficiência auditiva

Não tratar a perda auditiva traz riscos para a saúde física e equilíbrio emocional


Compartilhar

Ter dificuldades para ouvir os sons comuns do dia a dia é uma frustração, tanto para quem possui a deficiência auditiva quanto para seus entes queridos. Contudo, essa não é única consequência da perda da audição. Recentemente, pesquisadores americanos revelaram que a deficiência auditiva também está relacionada a problemas de locomoção, quedas e até demência. Veja aqui

O estudo realizado pela Universidade Johns Hopkins acompanhou 639 adultos por quase 12 anos. O especialista Dr. Frank Lin e seus colegas descobriram que a perda auditiva leve duplica o risco de demência. Já a perda auditiva moderada, triplicou o risco e aqueles com deficiência auditiva severa tiveram cinco vezes mais probabilidade de desenvolver demência.


Se você quer entender qual a relação da perda da audição com outros problemas de saúde graves, basta continuar a leitura. Apresentamos os principais perigos de não tratar adequadamente uma deficiência auditiva. Confira.

Declínio cognitivo

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


O estudo da Johns Hopkins mostrou que a perda auditiva não tratada aumenta o risco de declínio cognitivo e demência, conforme citamos acima. Mas você sabe por que isso acontece? Embora os pesquisadores ainda não saibam explicar a relação exata entre perda auditiva e declínio cognitivo, eles acreditam que isso pode ser consequência de vários fatores, como:

• Carga cognitiva: o esforço constante para ouvir e entender os sons podem sobrecarregar e causar estresse para o cérebro. Os recursos que normalmente seriam para armazenar a mensagem na memória, são usados para compreender a fala em primeiro lugar.

• Estrutura do cérebro: estudos de imagem cerebral mostraram que adultos mais velhos com deficiência auditiva possuem uma massa cinzenta menor na área que recebe e processa os sons. Isso acontece porque algumas estruturas das células cerebrais podem diminuir se não receberem estimulação suficiente.

• Isolamento social: A dificuldade de ouvir o que as pessoas dizem e seguir as conversas, pode fazer com que a pessoa com problemas auditivos prefira ficar em casa em vez de socializar. O problema é que quando você se isola dos seus amigos, familiares e não tem vida social, seu cérebro não recebe estímulos suficientes durante o dia, aumentando o risco de desenvolver demência.

Quedas e acidentes

De acordo com o estudo da Universidade Johns Hopkins, a perda da audição sem tratamento também pode ser associada a um risco maior de quedas e acidentes. Os dados mostraram que as pessoas com deficiência leve tinham quase três vezes mais risco de quedas do que pessoas com audição normal. Além disso, as chances de cair aumentam de acordo com a gravidade da perda auditiva. Para cada 10 dB que uma pessoa perde de audição, o risco é 1,4 vezes maior. Veja como a audição influencia no equilíbrio.

A justificativa está no fato de que a deficiência auditiva faz com que o indivíduo não tenha muita noção do espaço ao seu redor. Como ele precisa se concentrar mais em ouvir e compreender os sons, as outras tarefas, como o equilíbrio e olhar para onde pisa são deixadas de lado.

Depressão

A saúde auditiva também está relacionada à saúde mental. Diversos estudos correlacionaram a deficiência auditiva não tratada com maiores chances de apresentar depressão, ansiedade, paranoia e mudanças de personalidade.

As pesquisas também mostram que, quanto mais grave for a perda auditiva, maiores são os riscos do surgimento dos distúrbios psicológicos.

Em geral, isso pode acontecer porque os deficientes auditivos têm dificuldade para se comunicar tendem a se isolar. A falta de convívio com as outras pessoas, muitas vezes, pode levar à depressão.

Por que as pessoas não buscam ajuda?

Muitas pessoas sabem que estão perdendo a audição e, mesmo assim, não procuram ajuda. Uma pessoa diagnosticada com deficiência auditiva demora, em média, sete anos para procurar o tratamento. Se isso não acontecesse, os perigos acima não seriam uma ameaça tão grande.

Mas o que será que fazem as pessoas aceitarem os riscos em vez de tentar resolver a perda da audição? Bem, os motivos variam bastante e são bem pessoais. Alguns se sentem frustrados e recusam a aceitar a condição. Outros pensam que o problema auditivo não é tão grave ou pode se resolver sozinho. E ainda algumas pessoas consideram que a perda auditiva é uma condição que afeta apenas os idosos. Também existem aqueles que sentem vergonha de usar aparelhos auditivos.

Benefícios do tratamento

A principal forma de evitar todos os riscos citados são tratando adequadamente a deficiência auditiva. Na maioria dos casos, a audição não pode ser restaurada com medicamento ou cirurgia. Portanto, o principal método para tratar a perda auditiva é o uso de aparelhos auditivos e, em poucas vezes, os implantes cocleares.

Os aparelhos auditivos ajudam a melhorar a capacidade auditiva e recuperar a qualidade de vida dos usuários e de quem convive com eles. Usar um aparelho auditivo para voltar a ouvir os sons e entender a fala das pessoas pode abrir muitas portas que se fecharam ao longo dos anos.

Outros benefícios de tratar a perda da audição com aparelhos auditivos incluem:

• Melhora o humor;

• Estimula a interação social;

• Permite a participação em atividades que estimulam o cérebro;

• Sensação de segurança ao andar nas ruas;

• Melhora o relacionamento com familiares e amigos.

Como buscar ajuda

A perda auditiva não é um problema específico da idade. Qualquer pessoa pode enfrentar esse problema, desde bebês a adultos e idosos. Então, para evitar que a condição se agrave e sofrer com as consequências de uma perda auditiva não tratada, é melhor obter ajuda médica.

Logo ao perceber os primeiro sinais, você deve agendar uma consulta com um especialista em audição. O profissional será capaz de ajudar a determinar tipo e grau de perda auditiva que você tem. A partir daí, você será orientado para encontrar um modelo de aparelho auditivo que pode ajudá-lo e recuperar a capacidade de ouvir e ter qualidade de vida novamente.

Portanto, se você ou um ente querido está sofrendo com a perda da audição, não espere sete anos para buscar o tratamento. Visite um profissional de saúde auditiva da Direito de Ouvir e dê o primeiro passo para ouvir bem e manter todos os riscos bem longe.