Casos de otite externa dobram no verão

Infecção atinge o canal externo do órgão auditivo

No verão fica impossível resistir a um bom banho de piscina, um mergulho no mar entre tantas atividades envolvendo água. Todas as pessoas procuram aliviar o calorão, mas algumas dessas atividades podem contribuir para o aumento de infecções e inflamações no ouvido.

A ocorrência de otite externa, infecção que atinge o canal externo do órgão auditivo, dobra essa época e é a maior queixa dentro dos consultórios médicos otorrinolaringológicos.

Quando o ambiente está úmido e quente, o contato constante com a água pode mudar o revestimento do canal auditivo externo, retirando a proteção do local, podendo ocasionar descamação e coceira. Esse incômodo provoca a necessidade do paciente secar o ouvido constantemente, causando escoriações que facilitam a entrada de bactérias e fungos.

A otite externa atinge adultos e crianças e deve ser diferenciada da otite média aguda, que apresenta uma incidência muito maior nos meses de inverno e em crianças até os seis anos de idade. Os principais sintomas da otite externa são dor, coceira, secreção e diminuição da audição.

Cuide da sua saúde auditiva:

  • Enxugue bem os ouvidos após nadar, mergulhar ou após o banho.
  • Evite nadar e mergulhar em água suja. 
  • Não coloque cotonetes, grampos ou outros objetos no canal externo do ouvido.
  • Nunca pingue nada no ouvido além dos remédios recomendados pelo seu médico.

Procure sempre um médico quando sentir dor de ouvido. Outras doenças podem estar associadas a esta dor ou mesmo à otite externa e só o médico pode orientá-lo.