Perda auditiva súbita aumenta o risco de depressão

A ligação entre a perda de audição repentina e depressão em pessoas com menos de 60 anos


Compartilhar

Imagine estar ouvindo normalmente e, em poucas horas, tudo começa a se silenciar. Essa é a sensação de quem sofre com a perda de audição súbita, uma condição rara que afeta aproximadamente 20 pessoas a cada 100.000.


Os pacientes que sofrem com a perda auditiva repentina são frequentemente vítimas de danos auditivos permanentes, o que aumenta as chances de desenvolver transtornos depressivos.

Essa ligação foi apresentada em um estudo baseado nos dados da National Health Insurance Research Database (NHIRD), em Taiwan. Foram analisados 1717 pacientes com surdez repentina e 6868 indivíduos sem o problema auditivo. Os resultados mostraram que os pacientes que sofrem com a perda auditiva súbita têm 2,17 mais chances de apresentarem transtornos depressivos, especialmente entre os mais jovens. Veja a perda auditiva em adolescentes.

Sobre a perda auditiva súbita

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


Como o próprio nome indica, a perda auditiva súbita pode acontecer de repente ou se desenvolver em poucas horas. Não existe uma única causa da perda auditiva repentina, mas algumas condições facilitam o surgimento do problema auditivo, como estresse, exposição excessiva a altos ruídos, infecções virais, problemas vasculares e traumas na cabeça.

Dependendo da causa da perda auditiva e do tempo que a pessoa leva para buscar atendimento médico, a audição pode ser totalmente recuperada ou tornar-se uma perda auditiva permanente.

Ligação entre perda auditiva e depressão

Quem sofre com a perda auditiva súbita, de repente não consegue mais conversar normalmente com outras pessoas em ambientes barulhentos, precisa aumentar o volume da televisão, não consegue ouvir as chamadas telefônicas e tende a se isolar de familiares e amigos.

A mudança repentina na habilidade auditiva e a dificuldade para se comunicar com outras pessoas, afeta diretamente a vida diária do indivíduo. O resultado é uma situação significativa de estresse, ansiedade e tristeza profunda que pode desencadear transtornos depressivos.

A depressão é considerada o “mal do século” e a principal causa de incapacidade entre adultos no mundo inteiro, o segundo lugar fica por conta da perda auditiva. É por isso que as duas condições estão interligadas e, juntas podem ter um impacto negativo imensurável na vida de uma pessoa.

Qual a solução?

Ao perceber os primeiros sintomas da perda de audição súbita, o indivíduo precisa procurar um otorrinolaringologista imediatamente. O diagnóstico e tratamento precoce aumentam as chances de reverter a situação e evitar complicações.

Dependendo da causa da perda auditiva súbita, será necessário tomar as medidas para reduzir o estresse em sua vida pessoal, além de tratar diretamente a situação que desencadeou o problema auditivo.

Quando a perda auditiva não pode ser revertida, é recomendável o uso de aparelhos auditivos. Esses dispositivos amplificam o som e garantem uma melhor qualidade de vida para os usuários, prevenindo os transtornos depressivos e outras complicações. Além do uso de aparelhos auditivos, uma abordagem de cuidados com uma equipe médica envolvendo otorrinolaringologista, fonoaudiólogo e psicólogo pode ajudar a melhorar a audição e a saúde mental do paciente.