Perda auditiva: como acontece?

Aprenda sobre a causa da perda da audição


Compartilhar

Mais de 5% da população mundial tem perda auditiva incapacitante, representando 466 milhões de pessoas. O número atual já é alto e a tendência é que cresça ainda mais. Segundo a estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 900 milhões de pessoas terão perda auditiva até 2050.


A principal causa da perda da audição é o envelhecimento, mas existem muitos outros fatores que podem desencadear ou até piorar a condição. A boa notícia é que existem maneiras de proporcionar uma vida normal a quem sofre com o problema. Ao clicar neste artigo, você já deu um primeiro e importante passo para compreender mais sobre a perda auditiva antes de procurar uma fonoaudióloga.

O que é a perda auditiva

A perda auditiva é caracterizada pela diminuição da capacidade de ouvir sons. Em algumas vezes, a perda da audição é temporária, como um zumbido nos ouvidos após um show barulhento. Mas, na maioria das vezes, a condição é permanente pois as estruturas que o ajudam a ouvir foram danificados.

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


Quando não tratada, a perda da audição tem reflexos negativos na qualidade de vida, como depressão, isolamento social, maior índice de desemprego, menor remuneração, entre outras consequências.

Sintomas perda auditiva

Os sinais da perda auditiva podem ser múltiplos. Eles variam de acordo com a causa da perda da audição, gravidade e o tipo do problema.

Mas, basicamente, os sintomas começam com a impressão de que os sons do cotidiano ficaram baixos e as conversas com as pessoas ficam mais complicadas. Em geral, os sintomas mais comuns da perda da audição incluem:

• Aumento do volume da televisão ou do rádio;

• Dificuldade para conversar em locais barulhentos;

• Pedir para que as pessoas repitam suas falas frequentemente;

• Dificuldade para falar ao telefone;

• Dificuldade para compreender algumas palavras ou sílabas;

• Falar mais alto.

Tipos de perda auditiva

Existem três tipos de perda auditiva que são determinados pela parte do ouvido que não está funcionando normalmente.

Perda auditiva neurossensorial

O tipo mais comum de perda auditiva ocorre quando há um problema no funcionamento do nervo auditivo e das células ciliadas que ficam no ouvido interno e convertem as ondas sonoras. Como resultado, a percepção do som é inexistente ou sofre alteração.

A perda auditiva neurossensorial é permanente, mas os sintomas podem ser amenizados com o uso de um aparelho auditivo adequado. Em casos de surdez total, um implante coclear pode recuperar a capacidade de ouvir.

Perda auditiva condutiva

A perda auditiva condutiva ocorre no ouvido externo ou médio. Nesse caso, algo impede que os sons sejam transmitidos para o ouvido interno que, por sua vez, está intacto.

Esse tipo de deficiência auditiva pode ser permanente, porém, na maioria das vezes, é temporária. O problema pode ser corrigido com tratamento médico, cirurgia ou aparelhos auditivos.

Perda auditiva mista

Esse tipo de perda auditiva é uma combinação entre componentes da perda auditiva neurossensorial e condutiva.

Graus da perda de audição

Nossos ouvidos respondem aos sons com intensidade entre -10 e 120 decibéis. Com isso, os fonoaudiólogos e outros especialistas em audiologia distinguem níveis de perda auditiva de acordo com a intensidade do som que a pessoa consegue ouvir. Em cada grau de perda, há uma dificuldade crescente para compreender e ouvir sons comuns do dia a dia.

Audição normal: até 25 dB;

Perda auditiva leve: de 26 a 40 dB;

Perda auditiva moderada: de 41 a 55 dB;

Perda auditiva moderadamente severa: de 56 a 70 dB;

Perda auditiva grave: de 70 a 90 dB;

Perda auditiva profunda: 91 dB ou mais.

Causas da perda da audição

Descobrir a causa da perda da audição é essencial para direcionar o paciente ao tratamento correto. Existem vários fatores e condições que causam o problema auditivo e eles podem ser classificados como congênitos e adquiridos. Isso significa que a causa da perda da perda da audição pode existir desde o nascimento ou ao longo da vida de uma pessoa.

As causas mais comuns são:

• Envelhecimento (a perda auditiva relacionada à idade é chamada de presbiacusia);

• Uso de remédios prejudiciais à audição (chamados de medicamentos ototóxicos);

• Fatores genéticos;

• Exposição contínua ao som excessivamente alto;

• Lesões e traumas na cabeça ou no ouvido;

• Tumor no nervo acústico;

• Doenças infecciosas, como meningite, sarampo e caxumba;

• Infecções crônicas do ouvido;

• Acúmulo de cera ou objetos estranhos no ouvido.

Buscando ajuda

A perda auditiva pode ser grave. Por isso, a coisa mais importante que você deve fazer ao sentir dificuldades para ouvir é procurar aconselhamento de um profissional de saúde. Os profissionais que podem ajudá-lo nesta situação são os otorrinolaringologistas e as fonoaudiólogas. Cada um deles tem um tipo de treinamento e experiência para cuidar da sua saúde auditiva.

O otorrinolaringologista é um médico especializado em diagnosticar e tratar doenças do ouvido, nariz, garganta e pescoço. Esse profissional tentará descobrir a causa da perda da audição, oferecer opções de tratamento e encaminhá-lo para outro profissional de audiologia.

Já a fonoaudióloga tem treinamento especializado para realizar testes que identificam e pedem o tipo e grau de perda auditiva. Além disso, todas as fonoaudiólogas da Direito de Ouvir são licenciadas para recomendar e auxiliar na adaptação de aparelhos auditivos.

Opções de tratamento

O tratamento depende muito da causa da perda da audição e do grau do problema. Sendo assim, alguns tratamentos funcionam para algumas pessoas e não apresentam resultados em outras. Os dispositivos e técnicas mais comuns para ajudar você a ouvir melhor são:

Aparelhos auditivos: Para a grande maioria dos deficientes auditivos, a solução mais adequada é o aparelho auditivo. Existem diversos tipos que podem ajudar pessoas com todos os níveis de perda auditiva, até mesmo os mais profundos. Você pode buscar mais informações sobre aparelhos auditivos e suas especificidades aqui, ou procurar uma fonoaudióloga na clínica da Direito de Ouvir mais próxima de você.

Implantes cocleares: Para os problemas auditivos mais graves, às vezes é preciso recorrer à cirurgia com a solução do implante coclear. Esse pequeno dispositivo é implantado no ouvido interno e ajuda a proporcionar uma sensação sonora.

Agora que você já entendeu mais sobre a perda auditiva, conheça mais sobre a Direito de Ouvir e descubra como nossas fonoaudiólogas podem ajudá-lo a ouvir melhor.