Está com chiado no ouvido? Descubra o que pode ser

O chiado no ouvido pode indicar perda da audição e outros problemas de saúde


Compartilhar

Em vez de ler, que tal ouvir o post? Experimente no player abaixo.

Lidar com o chiado no ouvido pode ser estressante, prejudicar sua produtividade durante o dia, causar insônia e outros desconfortos em seu cotidiano. Esse problema auditivo, também conhecido como zumbido é caracterizado pela sensação de ouvir chiados, assobios, ou outros sons que não existem no ambiente. O ruído pode ser intermitente ou contínuo e pode variar de volume e, em muitos casos está relacionado à perda da audição.


O chiado no ouvido é mais comum do que muita gente imagina. No Brasil, o problema atinge 28 milhões de pessoas e, no mundo todo, estima-se que de 10 a 20% das pessoas podem ser afetadas pelo menos uma vez na vida.

Embora seja incômodo, o zumbido no ouvido não é algo sério. O problema sinaliza a existência de alguma anormalidade ou patologia, como perda da audição. Nesses casos, o uso de aparelho auditivo pode resolver o desconforto.

Além da perda auditiva, existem muitas outras possíveis causas para o chiado no ouvido e conhecê-las é importante para encontrar a melhor maneira de eliminar o ruído. A seguir, apresentamos as principais condições que originam o zumbido no ouvido. Leia com atenção para descobrir qual pode ser o seu caso.

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


1. Perda de audição

Muitas vezes, o zumbido pode esconder a presbiacusia, a perda da audição relacionada à idade. A situação geralmente começa por volta dos 60 anos de idade e afeta os dois ouvidos.

Nesse caso, o chiado no ouvido surge como uma forma do sistema auditivo tentar compensar a falta de estímulo auditivo. A presbiacusia não tem cura, porém, em muitos casos, o aparelho auditivo é útil para amplificar a audição e aliviar o incômodo do zumbido.

2. Ruídos Altos

Sons extremamente altos, como os de equipamentos pesados, explosão, alto falante e até fones de ouvido podem causar danos temporários e permanentes em sua audição.

Quando a exposição a altos ruídos ocorre a curto prazo, como assistir a um show barulhento, geralmente o chiado no ouvido desaparece em pouco tempo. Mas, quando a exposição é a longo prazo, como é o caso de pessoas que trabalham em ambientes ruidosos, o zumbido pode ser sinal de perda auditiva permanente.

Em qualquer uma das situações, o problema auditivo é facilmente evitado com o uso de equipamentos de proteção auditiva ou simplesmente diminuindo o tempo de exposição aos ruídos.

3. Cera acumulado no ouvido

Nosso corpo produz a cera, ou cerume, para reter a sujeira e proteger seus ouvidos. No processo natural, a substância é eliminada pelo organismo para dar lugar a uma cera nova. No entanto, pode acontecer de acumular o cerume do ouvido, dificultando o trabalho das células auditivas.

É importante você saber que, se esse for o seu caso, não é recomendável usar um cotonete para tentar remover o excesso de cera por conta própria. O ideal é procurar um médico para eliminar o acúmulo suavemente com as soluções adequadas. Veja os cuidados que devermos ter com a limpeza dos ouvidos.

4. Infecções de ouvido e sinusite

Infecções no ouvido médio e sinusite podem fazer com que um fluido se acumule atrás do tímpano, onde os ossículos ficam localizados. Com isso, é comum ouvir o chiado no ouvido e ter a sensação de que a audição está abafada.

Nessas situações, a melhor forma de aliviar o desconforto, é buscar o tratamento para resolver a infecção.

5. Problemas na articulação temporomandibular

Pode parecer estranho, mas a articulação da sua mandíbula compartilha alguns nervos e ligamentos com o ouvido médio. Por isso, quando algo está errado com a articulação temporomandibular (ATM), é comum notar um estalo no ouvido ou dor na articulação ao falar ou mastigar. Um dentista pode tratar os distúrbios da ATM e evitar que o ruído no ouvido piore.

6. Distúrbios cardiovasculares

Nem tudo que causa o chiado no ouvido está diretamente relacionado ao sistema auditivo ou perda da audição. Os problemas cardiovasculares também podem desencadear o zumbido. É o caso de problemas como hipertensão, aneurisma, arteriosclerose, circulação sanguínea prejudicada e estreitamento das artérias do pescoço.

Geralmente, o zumbido causado por problemas vasculares é pulsante e acompanha o ritmo cardíaco. Então faça o teste: tome o pulso e analise se o seu zumbido está no mesmo ritmo do batimento cardíaco.

7. Lesões na cabeça e pescoço

O zumbido no ouvido é um sintoma bastante comum após uma lesão na cabeça ou no pescoço. O trauma pode desencadear o problema auditivo por diversos fatores como estragos físicos (danos ao tímpano ossículos e cóclea), fisiológicos (danos ao sistema vascular) e até psicológicos (estresse pós-traumático). Problemas musculares ou na articulação da região da cabeça e pescoço também podem causar o chiado.

8. Hábitos de vida

Muitas vezes, o chiado no ouvido está associado a alguns hábitos de vida, como tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas e cafeína. Na verdade, não há evidências científicas de que essas substâncias estejam diretamente relacionados ao início ou à intensidade do zumbido. Tais substâncias podem ser intermediárias no surgimento do problema auditivo. Por exemplo, beber muita cafeína pode aumentar o nível de estresse e, consequentemente, desencadear os ruídos.

Portanto, a recomendação é consumir esses itens com moderação. Veja se após o consumo de certos alimentos, o seu zumbido parece aumentar. Gradualmente, procure eliminar esses itens se notar melhorias.

9. Consumo de alguns medicamentos

Zumbido no ouvido e perda da audição são efeitos colaterais de alguns medicamentos ototóxicos, ou seja, que contém substâncias tóxicas para as estruturas da orelha. Alguns desses medicamentos são:

● Anti-inflamatórios (como a aspirina, por exemplo);

● Analgésicos (ibuprofeno, naproxeno);

● Diuréticos

● Medicamentos contra o câncer;

● Medicamentos a base de quinina;

● Antidepressivos.

Nem todos os consumidores desses medicamentos desenvolverão chiado no ouvido. Porém, quanto mais forte for a dose, maior a chance de ter problemas auditivos. Nesse caso, é preciso consultar seu médico antes de parar ou trocar a medicação.

10. Doença de Meniére

O zumbido pode ser um indicador da doença de Meniére, um distúrbio auditivo explicado por uma pressão anormal do fluido naturalmente presente no ouvido interno. O acúmulo deste líquido exerce pressão sobre o órgão auditivo e pode causar zumbido, tontura e perda da audição. Muitos pacientes com a doença podem se beneficiar com o uso de aparelho auditivo.