Zumbido no ouvido pode prejudicar a saúde mental

Entenda como o zumbido no ouvido pode influenciar na sua saúde mental


Compartilhar

O que é o zumbido no ouvido?

O zumbido no ouvido (que também pode ser chamado de tinnitus) é um distúrbio que causa um constante chiado e outra série de ruídos irritantes e repetitivos; pode ser um sinal da perda de audição. Os barulhos podem ser variados, e se apresentam através de pequenos estalos, cliques, chiados e ruídos. Os sons constantes podem chegar em volumes baixos, mais leves, ou mais altos, intensos e incômodos. Dessa forma, há alguns casos em que o chiado é passageiro, como também há casos onde ele dura por muito mais tempo.


Mas como ele acontece? O aparelho auditivo, ao perceber que está começando a se debilitar, trabalha de forma excessiva para compensar a perda de audição, e é daí que surgem os chiados. As causas podem ser variadas, por isso é importante buscar a ajuda de um profissional de saúde qualificado para identificar a origem.

Essa condição incomoda muito, causa bastante desconforto para as pessoas que apresentam esse quadro e prejudica, entre outros aspectos, a saúde mental do paciente.

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


Como o zumbido no ouvido influencia a saúde mental?

Depressão e ansiedade podem ser a causa do zumbido no ouvido. Os ruídos, entre outros motivos, podem ter sua origem ligada à condições psicológicas, tais como a depressão e ansiedade. A relação entre esses dois problemas tão recorrentes e comuns na nossa sociedade atual é fluída. Os zumbidos podem manifestar problemas como a depressão e ansiedade, mas também é possível que o contrário aconteça, com a depressão e ansiedade causando o zumbido no ouvido.

● Ansiedade e o zumbido no ouvido

A ansiedade, apesar de ser uma emoção humana comum, pode se transformar em algo mais sério, se for sentida em excesso. Pessoas que tem ansiedade em excesso se encontram, no espectro emocional e psicológico, em estado constante de nervosismo e tensão, dificuldades para conseguir se concentrar, se sentem agitados e irritados. No espectro físico, a ansiedade causa aumento dos batimentos do coração ou dor na área do peito, sensação constante de cansaço ou fraqueza do corpo, boca seca e pés e mãos suados ou frios. Todos esses sintomas que vem junto com a ansiedade podem, também, causar o zumbido no ouvido.

● Depressão e o zumbido no ouvido

Enquanto a ansiedade pode causar o zumbido no ouvido, pacientes que apresentam um quadro de depressão e zumbido no ouvido passam a se importar mais e perceber com maior intensidade os chiados no ouvido. É muito comum pessoas que apresentam depressão clínica que já tinham o zumbido no ouvido antes de serem diagnosticados com depressão.

Medicamentos antidepressivos e a relação com o zumbido no ouvido

Muitos pacientes que fazem uso de medicamentos antidepressivos podem desenvolver o zumbido no ouvido através disso. Geralmente, esse tipo específico causado por uso de remédios pode ser temporário e acontece através da mudança nos níveis de neurotransmissores, como é o caso da serotonina, o mais comum e conhecido.

Em alguns casos, os chiados podem ser resultado de uma reação dos antidepressivos. Isso acontece porque alguns medicamentos farmacológicos podem acabar prejudicando o ouvido interno. Esse tipo de reação é raro, mas pode acontecer quando é feita a mistura de diferentes medicamentos junto com o antidepressivo ou quando é feito um tratamento de longo prazo com o mesmo medicamento.

Também é válido apontar que em alguns casos o uso de antidepressivos causa uma hipersensibilidade na audição do paciente. De qualquer forma, não é tão fácil identificar de qual antidepressivo, em especifico, o zumbido pode ter sua origem. Por isso é importante o acompanhamento com um psiquiatra, caso a administração de antidepressivos seja feita; e acompanhamento com um otorrinolaringologista caso os chiados fiquem muito constantes e em um nível alto.

Ansiedade, depressão e ouvido: sintomas em comum

A saúde mental, apesar de ser muito negligenciada e ignorada, é tão importante quanto a saúde física. Os problemas provenientes do espectro mental podem ter efeito seríssimos no espectro físico e por isso não devem ser nunca ignorados.

No caso da audição, alguns problemas de saúde mental podem ter efeitos na saúde auditiva, como por exemplo:

• Concentração

Em casos de extrema ansiedade, o sistema nervoso da pessoa está a todo vapor e torna-se extremamente difícil se concentrar e focar em um som em específico ou em uma conversa que esteja acontecendo ao seu redor. Em casos extremos, a pessoa não consegue ouvir uma palavra do que está sendo dito a ela. Quando isso ocorre, não quer dizer que o seu ouvido tenha falhado, é o cérebro que não consegue processar os sons que são captados por estar trabalhando tão rápido em razão da ansiedade.

• Hipersensibilidade auditiva

Do outro lado da escala, a ansiedade pode deixar a pessoa atenta à sons que tinham passado despercebidos até então. Pequenos barulhos, como rangidos ou chiados passam a ter muito mais importância caso a pessoa esteja experienciando um caso sério de ansiedade.

• Alucinações

Apesar de muito mais raras, as alucinações auditivas podem acontecer nesses casos. Geralmente, as pessoas que apresentam alucinações auditivas começam a ouvir sons que só ela ouve, o nome sendo chamado ou barulhos estranhos e incomuns. A hipótese mais aceitável para esse fenômeno é que o cérebro, por estar sobrecarregado pela ansiedade, começa a processar informações erradas.

Como tratar o zumbido que surge com problemas de saúde mental?

Nesse caso, onde mais de uma causa de diferentes origens acontecem, é importante combater as origens. É importante discutir com profissionais qualificados, como psiquiatras e otorrinolaringologistas.

Outras formas que também podem ajudar:

Hábitos alimentares mais saudáveis. Evitar alimentos, como café e açúcar, e incluir alimentos que são bons para o humor na dieta, como antioxidantes e alimentos ricos em potássio;

• Exercícios de controle de respiração;

• Exercícios físicos;

• Reduzir o estresse.

E claro, sempre procurar ajuda profissional adequada. Os especialistas da Direito de Ouvir, por exemplo, estão sempre dispostos a ajudar esses casos e colaborar em tratamentos para garantir uma boa saúde auditiva para todos.