Surdez congênita

Quais são os cuidados que se deve ter para evitar esse tipo de problema auditivo


Compartilhar

Surdez congênita: o que é e como acontece?

O problema auditivo conhecido como surdez pode acontecer de duas formas: adquirindo através de diferentes maneiras (exposição à sons altos, traumas, infecções que levam à surdez, etc.) ou de modo congênito, quando a criança nasce surda.


Na surdez congênita, a criança desenvolve a deficiência ainda na barriga da mãe. Ela pode se dar através de uso de medicamentos que prejudicam as células do ouvido pela gestante durante a gravidez; doenças que causam a surdez adquirida durante a gravidez; ou de causa hereditária.

Certos acontecimentos durante o nascimento ou pouco tempo depois também podem levar à surdez da criança, como exposição à radiação, problemas no parto como falta de oxigênio ou infecções hospitalares.

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


50% dos casos de surdez congênita tem origem em uma causa genética. Não há uma prevenção do problema auditivo congênito quando a causa é genética. Mas há como prevenir quando a causa é outra.

Doenças adquiridas pela gestante que podem levar à surdez congênita da criança recém-nascida

Se não houver um histórico genético de surdez na família (principalmente com o pai e a mãe), há sim maneiras de como prevenir a surdez congênita. As outras maneiras que essa surdez se manifesta são através de doenças infecciosas que a gestante pode adquirir durante a gravidez, essas doenças podem ser prevenidas.

• Rubéola congênita

A rubéola congênita é uma doença infecciosa e é a mais frequente causa da surdez congênita, pelo menos no Brasil, onde 1 a cada 10.000 nascimentos apresenta a surdez congênita causada pela rubéola. Nesse caso, o feto contrai a infecção ainda no útero. A infecção causa interferências e alterações na formação do feto, como órgãos e tecido. Também causa problemas na visão e audição, levando à surdez. Por ser uma doença infecciosa, ela só é prevenida evitando contato com pessoas que estão infectadas pela rubéola, principalmente no primeiro trimestre de gravidez, período onde a infecção tem mais força para interferir no crescimento do feto.

• Toxoplasmose congênita

A toxoplasmose é uma doença infecciosa causada por um protozoário comumente encontrado nas fezes de animais felinos. A gestante pode adquirir essa doença ao entrar em contrato com o parasita, por isso criou-se o costume de se atentar ao contato com gatos durante a gravidez, apesar que os animais de estimação não são os únicos que podem hospedar o parasita. O próprio ser humano ou outros animais também podem acabar hospedando o parasita da toxoplasmose. Pode ser adquirida ingerindo alimentos contaminados, mais comumente carne crua ou mal passada. A toxoplasmose é transmitida através da placenta e há uma chance de 30% da infecção ser passada de mãe para filho. Além da surdez congênita, a toxoplasmose também pode causar problemas neurológicos e na visão da criança.

• Doenças e Infecções sexualmente Transmissíveis

Doenças e infecções sexualmente transmissíveis também podem ser a causa para a surdez congênita. As mais comuns são: sífilis, herpes e AIDS. No caso da gestante infectada pela sífilis, ainda há formas de tratamento para reduzir a chance do feto contrair a doença, que tem um efeito tardio na criança, podendo causar uma surdez quando ela estiver com dois anos de vida, em média; por isso o acompanhamento médico durante a gravidez é importante. A herpes, adquirida através de contato sexual pode ser transmitido para o bebê no momento do parto e pode causar surdez congênita. Um vírus do mesmo grupo que a herpes, chamado de Citomegalovírus (CMV) também pode causar a surdez  e problemas mais sérios, como atraso mental e surdez tardia na criança. A AIDS também pode ser transmitida no momento do parto e causar surdez, porém, atualmente existem tratamentos que reduzem bastante o risco de infecção do bebê.

Pré-tratamento e prevenção

Em casos de causas genéticas, realmente a surdez congênita não tem como ser prevenida. Mas em casos de doenças infecciosas, há sim maneiras de prevenir ou pelo menos conter a infecção para que a criança não seja infectada durante a gestação ou no momento do parto.

• Acompanhamento médico durante a gestação é muito importante. O pré-natal adequado com um profissional da área da saúde qualificado, como obstetra/ginecologista é o primeiro passo para prevenir não só a surdez como muitos outros problemas que podem surgir na gravidez.

• É durante o pré-natal que a gestante pode descobrir se há algum risco para o bebê, e se houver, é informada de como o risco pode ser tratado, como acontece nos casos de infecção por doenças e infecções sexualmente transmissíveis.

• Evitar o consumo de carnes cruas e mal passadas; evitar contato com gatos que podem estar infectados ou são hospedeiros do parasita; lavar bem os alimentos como frutas, legumes e vegetais, pois há o risco da infecção da toxoplasmose.

• Se houver relações sexuais, sempre é recomendado a proteção com o uso de camisinhas, para prevenir doenças e infecções sexualmente transmissíveis.

• Não compartilhar seringas ou materiais cortantes que possam estar infectados.

Depois da gravidez

O acompanhamento na vacinação na vida das crianças também é muito importante. Somente através da vacinação correta e em dia é possível evitar possíveis resquícios de doenças que a criança pode ter contraído ainda na gravidez.

Se a criança realmente nasceu com surdez congênita, é recomendado o acompanhamento com profissionais da saúde, como o pediatra, fonoaudiólogos e otorrinolaringologistas, que saberão a maneira correta de tratar cada caso, através de estímulos e a recomendação de aparelhos ou implantes certos para cada caso. Somente com o acompanhamento profissional adequado a criança pode ser tratada e levar uma vida normal com muita qualidade de vida.

Procure sempre um especialista. Os especialistas da Direito de Ouvir, por exemplo, estão sempre dispostos a ajudar esses casos e colaborar em tratamentos para garantir uma boa saúde auditiva a todos e também contam com produtos capazes de atender as mais variadas necessidades, sempre com a melhor qualidade e preocupação com aqueles que precisam.