Por Direito de Ouvir

09 de junho de 2021

Cuidado, ruídos são prejudiciais!

Cuide da sua audição e evite a perda auditiva induzida por ruído.

09 de junho de 2021


A ciência estuda há anos o comportamento da audição humana. E através deste estudo podemos identificar algumas causas da perda auditiva, tais como: Presbiacusia, Otosclerose, trauma acústico, doença de Ménière e entre outras. Porém, há um vilão maior, que age silenciosamente e é muito prejudicial à audição: a exposição ao ruído.

Neste artigo, vamos entender quando e porque esta exposição ao ruído pode se tornar prejudicial.

Decibel (dB) é a medida utilizada para quantificar a intensidade do som. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) afirma que níveis a partir de 40 e 50 dBs, já são capazes de provocar prejuízos na audição.

É por isso que em fábricas e indústrias, quando o ruído atinge níveis em torno de 85 dB durante 8 horas ininterruptas, deve ser fornecido aos funcionários um protetor auricular, para que este som seja minimizado a níveis que não prejudicam a audição.

Nesses casos, a proteção extra é necessária porque a exposição à intensidade elevada do ruído, por horas seguidas, pode lesionar as células ciliadas e provocar a perda auditiva. Ou seja, quanto maior a intensidade do som, menor deve ser o tempo de exposição, uma vez que os danos auditivos causados pela exposição ao ruído variam de acordo com a intensidade e tempo de exposição.

É importante lembrar que existe muito ruído no nosso cotidiano que também pode ser prejudicial à saúde auditiva.

Veja só:
 • Em uma biblioteca encontramos níveis de audição em torno de 30 e 40 dB;
• As buzinas em meio ao trânsito chegam a 120 dB;
• Os ruídos da máquina de lavar roupa, secador de cabelo ou cachorro latindo se encontram entre 70 a 80 dB.

Para saber se o ruído que você está exposto é prejudicial à saúde auditiva verifique se você fica com zumbido após a exposição a este som, se estiver com zumbido, com certeza o som estava muito alto e pode ser prejudicial. Mas se você precisar elevar o seu tom de voz para ser ouvido, você também está em um ambiente ruidoso.

Se a exposição ao ruído não é contínua e diária, os nossos ouvidos possuem um mecanismo de proteção que torna este ruído muito desconfortável. Mas quando a exposição se dá por períodos prolongados e diariamente, sem o uso de proteção, há uma grande probabilidade de se desenvolver uma perda auditiva induzida por ruído.

 Além da perda auditiva propriamente dita, o ruído intenso pode causar ainda outros prejuízos a audição, entre eles: dor de cabeça, cansaço, zumbido e perda da concentração.

Há um outro agravante nos dias de hoje: com a mudança do comportamento do ser humano, hoje em dia é muito comum o uso de fones de ouvido, esta é uma exposição, normalmente, por um período prolongado e a intensidade, de um modo geral, é elevada.

Os jovens não se preocupam com isso. Mas além da sensação de zumbido e “ouvido cheio” após o uso dos fones de ouvido, com o passar dos anos, é possível desenvolver uma perda auditiva induzida por ruído.

Aqui fica um alerta! Diminua o volume dos fones de ouvido e faça intervalos no uso, assim você garante a preservação da saúde auditiva.

Fonoaudióloga Leila Gamba Zanoni
CRFª 8443


Marcadores
Perda auditiva
Nós usamos seus dados para analisar e personalizar nossos anúncios e serviços durante sua navegação em nossa plataforma. Ao continuar navegando pelo site Direito de Ouvir você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las