Por Direito de Ouvir

08 de novembro de 2021

Impacto da depressão em pessoas com perda auditiva

Como a apoio da família e o tratamento pode contribuir para o tratamento

08 de novembro de 2021


A perda auditiva pode ser unilateral, bilateral, parcial ou total, podendo ocorrer de diversas formas:


*Perda Auditiva congênita;
*Perda Auditiva ocasionada por medicamentos;
*Perda Auditiva adquiridas;
*Perda Auditiva genética;
*Presbiacusia.

 Os tipos de perda auditiva são: condutiva, neurossensorial e mista e podem ser classificados em diferentes graus, desde leve a profunda.

A perda auditiva muitas vezes começa com a dificuldade de ouvir alguns sons, principalmente os sons agudos. Pode vir acompanhada da falta de atenção, estresse, ansiedade. Ela vem de forma sutil atrapalhando a compreensão da fala, fazendo com que a pessoa fique deprimida e em isolamento.

É bom lembrar que a surdez e a depressão podem acometer pessoas em qualquer idade, sendo mais comum a perda auditiva associada a depressão em idosos.

A perda auditiva e a Depressão

É muito comum ser usada aquela famosa frase pelas pessoas que têm perda auditiva: "eu estou escutando, mas eu não estou entendendo!!".

E assim, devido à dificuldade de entender, elas passam a se isolar, querendo evitar de falar com as pessoas a fim de pedirem para repetir suas falas, por não estarem entendendo, o que causa um impacto na vida social e leva a uma baixa autoestima.

Muitas pessoas quando não sabem que têm perda auditiva, acabam não procurando um tratamento adequado. Ou após diagnosticado com perda auditiva, demoram a procurar adaptação de aparelho auditivo e devido a depressão, que pode estar em estado avançado, ou devido a estética, acabam tardando o tratamento.

A vergonha de usar aparelho auditivo também é muito grande e, mesmo com todos os avanços tecnológicos que temos hoje, o bloqueio e o preconceito são maiores.

Sabemos o quanto a comunicação e o convívio social são importantes em qualquer idade, mas temos que dar uma atenção especial à terceira idade, porque pode afetar diretamente na saúde mental do idoso, podendo levar, além da depressão, ao Alzheimer entre outras doenças degenerativas.

A importância da família e a equipe multidisciplinar

A família é muito importante para incentivar e apoiar as pessoas que têm depressão e perda auditiva, a aceitação da família em saber lidar com as limitações daquela pessoa é de suma importância e requer muita paciência. É muito importante a ajuda de um psicólogo nesse processo.

Diagnóstico da perda auditiva e Tratamento com aparelhos auditivos

O diagnóstico da perda auditiva é feito através dos exames utilizados para avaliação e por profissionais capacitados como o otorrinolaringologista e o fonoaudiólogo

Um dos métodos mais utilizados e mais modernos para quem apresenta perda auditiva são os aparelhos auditivos. Não importa sua perda auditiva nos dias de hoje, além dos aparelhos auditivos serem pequenos e discretos a tecnologia que eles apresentam ajuda na necessidade de cada pessoa. Desde criança, adolescentes, adultos e idosos.

Com a evolução dos Aparelhos Auditivos as pessoas não precisam mais se envergonhar, porque a tecnologia dos aparelhos auditivos permite além de estética, conectividade com celulares e tablets, sendo possível atender as ligações, receber alerta, ouvir música como se fosse um fone de ouvido ou airpods.

E essa tecnologia só vem se aperfeiçoando, hoje os aparelhos auditivos MyDO da Linha Concept possuem inteligência artificial, então além do conforto, qualidade de vida, design, acessibilidade os aparelhos auditivos estão vindo de uma forma simples e completa para facilitar o acesso de todos.

Cuide de sua saúde auditiva, realizando exames periódicos. Fique atento aos sinais da perda auditiva, isolamento social e depressão. Ao menor sintoma, procure um especialista e lembre-se: quanto mais precoce o diagnóstico, mais fácil o tratamento.

Fonoaudióloga Alana Moura
 CRFª:

Marcadores
Perda auditiva
Nós usamos seus dados para analisar e personalizar nossos anúncios e serviços durante sua navegação em nossa plataforma. Ao continuar navegando pelo site Direito de Ouvir você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las