Deficiência auditiva não tratada gera problemas

O estudo aponta que o uso de aparelho auditivo elimina tais riscos.


Compartilhar

Um estudo científico francês realizado com 3.800 pessoas, durante um período de 25 anos, revelou que pessoas idosas que afirmaram ter deficiência auditiva, e que não usavam aparelhos auditivos, tinham risco maior de demência e doença do que as que tinham deficiência auditiva e usavam aparelhos auditivos, como também pessoas que não tinham deficiência auditiva. O uso de aparelho auditivo elimina risco de demência e doença, aponta o estudo.

Isso significa dizer que, pessoas que usavam aparelhos auditivos estavam fora de risco de tais enfermidades, assemelhando-se as que não tinham deficiência auditiva.


Demência

O estudo revelou que pessoas que afirmaram ter deficiência auditiva e não usavam aparelhos auditivos tinham um risco significante maior de desenvolver demência do que pessoas que tinham audição normal, ou que tinham deficiência auditiva e usavam aparelhos auditivos.

O risco era de 21% a mais quando a pessoa tinha deficiência auditiva e não usava aparelhos auditivos.

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


Doença

Deficiência auditiva não tratada aumenta também risco de contrair doença. Segundo estudo realizado com pessoas com deficiência auditiva, as que não usavam aparelhos auditivos encontravam-se em risco de 28% em atividades do cotidiano, como por exemplo, banhar-se e vestir-se.

E havia um aumento de risco de 13% quando se tratava de atividades corriqueiras, tais como manusear o telefone, administrar medicamento e dinheiro, fazer compras e locomover-se. Pessoas que tinham deficiência auditiva, e usavam aparelhos auditivos, não tinham grande risco de contrair doença, semelhantemente às que relataram não ter deficiência auditiva.

Depressão

Entre homens que relataram ter deficiência auditiva, e não usavam aparelhos auditivos, o estudo revelou que havia um maior risco, ou seja 43% de desenvolver sintomas depressivos do que pessoas sem deficiência auditiva, ou pessoas que tinham deficiência auditiva e usavam aparelhos auditivos.

O estudo revelou que não havia risco elevado de depressão entre mulheres.  Resultados anteriores, usando os mesmos dados e pessoas, mostraram que deficiência auditiva relatada está associada a um declínio cognitivo acelerado em adultos e que o uso de aparelho auditivo chega quase a eliminar declínio cognitivo.

Sobre o estudo

Os estudos foram baseados numa pesquisa francesa epidemiológica, The PAQUID Study, com uma amostra de 3.777 indivíduos com a idade de 65 anos, ou acima disso, que foram observados num período máximo de 25 anos.

O estudo foi dirigido pela Professora Hélène Amieva. O estudo “Death, Depression, Disability and Dementia associated with self-reported Haring Problems: A-25-year Study” foi publicado na revista científica de gerontologia, em 2018, Journals of Gerontology: Medical Sciences in January 2018.

Fontes: PubMed e Journals of Gerontology: Medical Sciences