Uso de aparelhos auditivos cresce na Europa

Satisfação e bem-estar impulsionam a procura

O número de pessoas que fazem uso de aparelhos para surdez ou aparelhos auditivos tem aumentado consideravelmente no continente europeu, segundo estudo realizado pela EuroTrak.

Publicados pela American Journal of Audiology, revista estadounidense voltada para pesquisas relacionadas à saúde auditiva, os resultados do estudo mostram que entre 2009 e 2015 o uso de aparelhos auditivos cresceu entre pessoas que relataram ter deficiência auditiva na Europa.

Além disso, os dados comparativos da Alemanha, França e Reino Unido também mostraram que a porcentagem de pessoas com deficiência auditiva que usa aparelho auditivo em ambos os ouvidos, aumentou cerca de 14% em pouco mais de 7 anos, indo de 55% para 69%.

Contudo, segundo o estudo, a prevalência de problemas de deficiência auditiva reportada por pacientes durante um período acima de 6 anos, tem estado estabilizada. Num total, 10,6% dos entrevistados afirmaram ter problemas auditivos. E a prevalência de deficiência auditiva relatada era de 11,5% entre homens, e 9,7% entre mulheres. Para os entrevistados acima de 18 anos, a prevalência de perda auditiva reportada era de 12,5%.

O uso de aparelho auditivo, entre pessoas com deficiência auditiva, aumentou com o nível de deficiência auditiva reportada por elas, tendo passado de 14,7% dos com nível de deficiência auditiva mais baixo para 73,3% daqueles com nível mais alto de deficiência auditiva.

Outros resultados

No artigo da revista americana, American Journal of Audiology, alguns outros resultados da investigação foram destacados. A satisfação com as funções do aparelho auditivo tem um acréscimo na pontuação de 7%, e a satisfação com a eficácia do mesmo aumentou 4%.

Os que usam aparelho auditivo, em ambos os ouvidos, demonstram estar mais satisfeitos do que as pessoas que usam aparelho auditivo em apenas um ouvido (uso unilateral).

Pessoas que usam aparelho auditivo são menos exaustas durante a noite, quando comparadas com as pessoas com deficiência auditiva semelhante que não usam aparelho auditivo. Há também indicações de que sintomas de depressão e esquecimento são menores entre usuários de aparelho auditivo do que os não usuários. E 89% dos usuários de aparelho auditivo, ativos no mercado de trabalho, declararam que seus aparelhos auditivos são instrumentos importantes no ambiente de trabalho.