Por Direito de Ouvir

29 de abril de 2021

A Perda Auditiva no decorrer do Envelhecimento.

Tenha uma comunicação saudável!

29 de abril de 2021


Ao falarmos de envelhecimento, estamos nos referindo a um processo natural de declínio nas habilidades motoras (marcha; coordenação motora; destreza nos movimentos manuais) e funções cognitivas (linguagem; memória; raciocínio lógico), o que não significa invalidez.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que, em 2050, chegaremos a 2 bilhões de indivíduos com 60 anos ou mais e segundo dados da mesma Instituição, até o ano referido, a previsão é de que 2,5 bilhões de pessoas no mundo apresentarão algum Grau de Perda Auditiva, o que representa ¼ da população Mundial.

Em decorrência do envelhecimento, há uma prevalência nos indivíduos em apresentarem rebaixamento, perda auditiva e questões visuais.

Os sintomas da perda auditiva nem sempre são percebidos no início, levando a pessoa a prejuízos nas percepções sonoras tais como: cantos dos pássaros; água saindo da torneira; latido do cachorro; barulho do motor do carro; entre tantos outros.

Porém, como a diminuição de habilidades sensoriais ocorrem frequentemente, nem sempre estas “perdas” são relevantes. No entanto, outros sinais de ausência sonora são apresentados, sendo estes:
- Necessidade de ser chamado pelos membros da família ou do seu convívio diário;

- Não conseguir manter um diálogo saudável e estruturado;


- Aumentar o volume da televisão;

-Fazer uso de falas, como “Ah?”, “fala mais alto”, “repete”, entre outras.

Distanciamento e isolamento social

Se tratando de um processo gradativo de queda nas percepções auditivas, as habilidades de discriminação, atenção e compreensão da fala, serão afetadas e impactadas de forma significativa em relações sociais e dinâmicas familiares.

Daremos destaque para a importância dos exames audiológicos, os quais devem compor a relação dos exames de rotina, para assim, haver um acompanhamento auditivo que possa diagnosticar a perda auditiva quanto antes.

Após o laudo audiológico, havendo a indicação para o uso de Aparelhos Auditivos, o processo de escolha e seleção da prótese devem levar em consideração o grau e tipo da perda.

A Presbiacusia - perda auditiva pelo envelhecimento - ocorre de forma simétrica em ambas as orelhas e pode ter causa vinda do seu estilo de vida, atividades diárias, maneabilidade, autonomia, modelo da prótese auditiva, entre outros fatores que compõem a individualidade.

Além disto, a clareza por parte do paciente sobre sua perda auditiva e os ganhos sonoros a partir da utilização dos Aparelhos Auditivos devem ser alinhados para assim, a aceitação do uso dos Aparelhos de Amplificação Sonora Individual ocorram de maneira consciente e mais tranquila.

O processo de adaptação dos Aparelhos Auditivos inicia-se a partir de informações acerca de manejo (cuidados diários com a prótese), colocação e retirada na orelha, tempo de uso diário, sonoridade, treino auditivo e conforto. Os elementos referidos são garantidos em razão da personalização da prótese, ou seja, do olhar individualizado para cada paciente.

Devemos aqui, chamar a atenção para novos valores culturais, dinâmicas socioeconômicas e o envelhecimento ativo, de grande importância e relevância para identificação precoce das perdas auditivas e os cuidados para uma boa saúde auditiva.

Todos esses aspectos garantem melhora na qualidade de vida e bem-estar dos nossos idosos.


Fonoaudióloga Priscila Canevari Reis 
CRFª: 15.161


Marcadores
Audição Perda auditiva
Nós usamos seus dados para analisar e personalizar nossos anúncios e serviços durante sua navegação em nossa plataforma. Ao continuar navegando pelo site Direito de Ouvir você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las