Você tem ou conhece alguém com perda auditiva?


Sim Não

Por Gabriela Bandoni

09 de janeiro de 2020

Implante coclear e sua eficiência

O implante coclear pode ajudar a restaurar a audição

09 de janeiro de 2020


A perda auditiva é o problema auditivo mais comum e está entre os principais desafios relacionados à saúde no mundo. De acordo com o censo do IBGE de 2010, existem quase 10 milhões de brasileiros com deficiência auditiva, o que corresponde a aproximadamente 5,1% da população. Dentre esses milhões de pacientes, muitos podem se beneficiar com o uso do implante coclear.

O dispositivo é implantado cirurgicamente e pode restaurar grande parte da capacidade auditiva em pessoas com perda auditiva grave a profunda. Mas, afinal, o que é um implante coclear? O dispositivo funciona como os aparelhos auditivos? Para solucionar essas e outras dúvidas, basta continuar a leitura deste artigo!


O que é um implante coclear?

O implante coclear é um dispositivo eletrônico que restaura parcialmente a audição. Ele pode ser uma boa opção para uma pessoa com problema auditivo grave ou com surdez profunda, já que nesses casos, o benefício dos aparelhos auditivos é limitado.

Por falar em aparelhos auditivos, é importante deixar claro que os dois dispositivos servem para propósitos diferentes. O principal aspecto divergente entre aparelhos auditivos e implantes cocleares está na forma de funcionamento.

Os aparelhos auditivos têm a função de amplificar o som e, por isso, dependem do ouvido interno para transformar as ondas sonoras em sinais nervosos. É por causa dessa razão que os aparelhos auditivos são mais indicados para pacientes com perda auditiva leve, moderada e severa em alguns casos.

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


Já os pacientes com perda auditiva severa a profunda, praticamente não possuem estímulo sonoro no ouvido interno. Por isso, os aparelhos auditivos não são muito eficazes para eles.

O implante coclear é indicado exatamente para essas pessoas, pois o dispositivo ignora as partes danificadas do ouvido interno e envia os impulsos diretamente para o nervo auditivo. Ou seja, ele substitui a função da cóclea.

É importante deixar claro que o implante não cura a surdez ou deficiência auditiva. Porém, pode ser uma maneira eficaz para amenizar os desafios causados pelo problema auditivo.

Como o implante coclear funciona?

O implante coclear é formado por várias peças que trabalham em conjunto para contornar a parte da cóclea e enviar o som diretamente para o nervo auditivo.

Basicamente, um implante é composto por duas partes. A primeira é o componente interno formado por um conjunto de eletrodos. A segunda é composta por algumas peças externas que são colocadas na orelha e anexadas ao implante.

Assim, os implantes cocleares funcionam da seguinte maneira:

1. Um microfone capta as ondas sonoras do ambiente;

2. O som é convertido em sinais digitais e detalhados pelo processador de som;

3. A bobina transmite o som codificado para o implante coclear e o conjunto de eletrodos que estão no ouvido interno;

4. Então, eletrodos estimulam os nervos auditivos da cóclea;

5. O nervo auditivo transmite os sinais sonoros ao cérebro, que os interpreta como sons.

Quais as vantagens do implante coclear?

Uma das principais vantagens dos implantes cocleares é a melhora significativa na qualidade de vida e comunicação das pessoas que sofrem com um problema auditivo sério. Por isso, cada vez mais, os implantes são utilizados como tratamento padrão para casos de perda auditiva severa.

O procedimento pode beneficiar bebês e crianças que estão aprendendo a falar e desenvolvendo a linguagem. Além disso, adultos e crianças maiores que perderam a audição depois de aprender a falar também podem se beneficiar dos implantes.

Na prática, os dispositivos oferecem as seguintes vantagens aos usuários:

• Capacidade de ouvir a fala de outras pessoas sem precisar se apoiar na leitura labial;

• Melhoria nos níveis de audição em diversas situações, como em locais barulhentos e em aparelhos eletrônicos (TV, telefone, rádio etc) ;

• Aumento na autoestima e autoconfiança, estimulando a comunicação com outras pessoas e fortalecendo os relacionamentos interpessoais.

Como é a cirurgia?

Neste ponto, você já deve estar curioso para saber como o dispositivo é implantado no ouvido, certo? Então deixa que a gente explica!

A cirurgia é delicada, complexa e não envolve muitos riscos, já que nenhum órgão vital é envolvido. O procedimento dura aproximadamente 2 horas e normalmente os pacientes podem ir para casa um dia após a implantação.

Para a realização da cirurgia, o paciente é colocado sob anestesia geral. Então, o cirurgião faz um corte atrás da orelha para ter acesso ao ouvido médio e à cóclea. Assim, o profissional insere os eletrodos que vão estimular o nervo auditivo e, em seguida, realiza um teste para garantir que o dispositivo esteja funcionando corretamente.

Depois do procedimento, é preciso aguardar de 30 a 40 dias para ativar o implante coclear. Esse período é necessário para garantir que o local da cirurgia cicatrize bem.

Depois de ligado, o audiologista configura o implante coclear de acordo com as necessidades do paciente e fornece as informações sobre cuidados e uso adequado do dispositivo.

O pós-cirúrgico também não tem muita complicação. Normalmente, os audiologistas recomendam um repouso de aproximadamente 10 dias e não há restrições às atividades normais após esse período.

Como é o período de adaptação?

Após sofrer com o problema auditivo por muito tempo, é normal que o cérebro não reconheça o que cada barulho significa. Para muitas pessoas, os sons que antes eram normais podem parecer confusos e até irritantes depois do implante.

Assim, nas primeiras semanas com o implante coclear, os pacientes precisam passar por um processo de adaptação para que o cérebro se acostume novamente com cada som Então, gradualmente, os sons começam a fazer sentido.

Para as pessoas que sofreram com a deficiência auditiva por muito tempo ou para as crianças que já nasceram com problema auditivo, há pouca ou nenhuma memória auditiva. Nesses casos, os pacientes podem ficar bem confusos com os novos sons até que a nova memória auditiva seja construída. Normalmente, a terapia com fonoaudiólogo é um método eficaz que pode ajudar na reabilitação.


Marcadores
Artigos