Categoria: Perda Auditiva.

Aparelho Auditivo Aparelhos Auditivos Especialistas discutem tratamentos para perda auditiva

A perda de audição tem se tornado um problema recorrente entre os brasileiros e é sim uma questão de saúde pública. Pelo menos foi esta a conclusão do encontro sobre surdez, realizado com vários especialistas da área.

Estima-se que o mal atinja mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais, o número pode ser muito maior, uma vez que existem pessoas que não procuram ajuda e não entram, portanto nesta listagem.Só no Brasil, estima-se que esse número possa chegar a 10 milhões de pessoas.

Perda auditiva X diagnóstico demorado

Números da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia assinalam que as pessoas adiam em média até sete anos para buscar a ajuda de um otorrinolaringologista após notar alguma dificuldade para ouvir, após perceberem demoram ainda mais dois anos para definirem qual tratamento.

O problema é que a maioria das pessoas desconhece o fato de que, quanto antes o déficit for identificado e tratado, menos capacidade de ouvir seja prejudicada.

Deixar de tratar a perda auditiva pode acarretar uma série de consequências que estão muito além da simples incapacidade de escutar. O declínio da audição pode acelerar as atrofias da massa cinzenta e até interferir na taxa de mortalidade dos pacientes.

Se pararmos para pensar, os aparelhos auditivos não só melhoram a audição, mas também contribuem para a preservação das funções cerebrais.

Por isso, é fundamental que a população em geral seja informada sobre a importância de passar por exames audiológicos preventivos frequentemente. Os aparelhos auditivos têm um papel fundamental na preservação da audição e vida social de uma maneira geral!

Doenças relacionadas à perda auditiva

Muitos aspectos podem gerar a surdez ou perda gradativa da audição, que vão desde questões genéticas até mesmo através de consequências de doenças sexualmente transmissíveis, como a sífilis, por exemplo, e tantos outros aspectos.

Para quem gosta de usar o fone de ouvido nas alturas, fica a recomendação de abaixar um pouco volume, pois assim não causa trauma algum ao ouvido. Um pouco divulgado e extremamente importante, é a relação entre fumantes e perda auditiva, estima-se que o vício acrescenta a chance de danos em 15% maior que as pessoas não fumantes. Leia mais sobre isso aqui.

A obesidade e a hipertensão também são doenças que podem estar relacionadas a casos de perda auditiva. Saiba mais!

Prevenção da perda auditiva

No país existe o teste da orelhinha que é obrigatório em recém-nascidos onde já pode ser avaliado se existe probabilidade de surdez, a importância deste teste é justamente o caráter preventivo, quanto mais cedo diagnosticar um problema, melhores serão os tratamentos e maiores as chances de cura.

Outra forma de prevenção é evitar a exposição a sons é de 85 decibéis. A partir deste nível há risco de perda auditiva, que depende da intensidade do som (volume), tempo de exposição e sensibilidade individual.

O alerta sobre a necessidade de prevenção não é à toa, afinal, conviver com a surdez não é nada fácil.A expectativa de vida dos brasileiros é de 80 anos, de acordo com o IBGE, com a chegada da idade, problemas relacionados à audição são frequentes e a saída em alguns casos pode ser uso de aparelho auditivo. Hoje em dia, as próteses auditivas são quase que imperceptíveis e proporciona ao paciente resultados animadores.

Baseado em: www.noticiasbr.com.br