Você tem ou conhece alguém com perda auditiva?


Sim Não

Por Gabriela Bandoni

01 de novembro de 2015

Direito de Ouvir Vai Ao Franchising Fair Curitiba

Evento acontecerá entre os dias 13 e 15 de novembro no Paraná

01 de novembro de 2015


Na 23ª edição da Franchising Fair, que acontecerá entre os dias 13 e 15 de novembro em Curitiba, a Direito de Ouvir Brasil apresentará sua proposta de negócio: a rede atua no mercado de aparelhos auditivos e, por pertencer a um grupo que é líder mundial em soluções auditivas, oferece muitos diferenciais aos investidores.


Além de expor, o franqueador da Direito de Ouvir Brasil, Frederico Abrahão, ministrará a palestra “Abrir ou não uma franquia – As vantagens do franchising”, no dia 14/11, às 17h30 ( mais detalhes no box).

A franqueadora - Nascida em Franca (SP) em 2007, a marca Direito de Ouvir atingiu rapidamente a maior capilaridade no Brasil, tendo representantes em todo o território nacional. 

A partir dessa sociedade, ocorrida em 2014, a Direito de Ouvir Brasil ampliou sua estrutura para poder atender uma rede franqueada que, certamente, crescerá nos próximos anos. “Hoje, temos uma loja própria e quatro franqueadas e já estamos negociando com investidores para futuras aberturas”, comenta Abrahão.

Uma loja da Direito de Ouvir requer investimento inicial a partir de R$ 135 mil. O faturamento médio de uma franquia pode chegar a R$ 50 mil, com lucratividade a partir de 13%.

Não deixe sua saúde auditiva para depois. Teste um aparelho auditivo totalmente Grátis este mês na Direito de Ouvir!

Número de testes limitado a 250 por mês, restam .


O mercado - A Direito de Ouvir Brasil oferece os melhores e mais modernos aparelhos auditivos – bem como acessórios, pilhas e serviços de manutenção. O tamanho do mercado impressiona: atualmente são mais de 24 milhões de idosos no Brasil, o que corresponde a 13% da população. O potencial de consumo dessa faixa etária também é enorme: R$ 402 bilhões por ano. “Este é um mercado que cresce a cada dia porque todos querem viver com mais qualidade de vida, especialmente os idosos”, diz o franqueador.

Negócios como a Direito de Ouvir são promissores -  Um recente mapeamento de consumo feito com pessoas na faixa etária dos 60 anos, realizado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pelo portal de educação financeira "Meu Bolso Feliz", em 27 capitais, mostrou que a cada cem consumidores da terceira idade (acima de 60 anos), 45 têm dificuldade para encontrar produtos e serviços adequados a sua faixa etária. “Nas nossas lojas, a terceira idade é atendida por profissionais treinados para entender sua necessidade, fazer a melhor indicação de aparelho, acompanhar e motivar todo o processo de adaptação”, ilustra Abrahão. “Idoso não gosta de ser tratado como velho e gosta de ser ouvido. Nossa equipe ouve mais do que fala e por isso tem se diferenciado”, conclui.

Saiba como ser uma Credenciada da Direito de Ouvir!


Marcadores
Franquias