Por Direito de Ouvir

20 de maio de 2021

Qualidade de vida antes e após a adaptação do ASSI

Comunicação social efetiva

20 de maio de 2021



De acordo com a Organização Mundial da Saúde (O.M.S), qualidade de vida é “a percepção do indivíduo de sua inserção na vida, no contexto da cultura e no sistema de valores nos quais ele vive, no contexto da cultura e nos sistemas de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações”.

Pensar em qualidade de vida em sua plenitude, é contemplar aspectos relacionados à Saúde Física e Psicológica, nível de independência e autonomia, relações sociais e comunicação. É ter acesso e possibilidades de realizar suas atividades de vida diária e prática.

Ao falar de qualidade de vida na terceira idade, é preciso também dar atenção à Saúde Auditiva dos nossos idosos. Podemos notar quando alguns sinais e sintomas de perdas auditivas estão presentes na rotina pelo comportamento dos indivíduos idosos, podendo destacar aqui alguns deles:

• Diminuição ou ausência da participação das conversas familiares;

• Diminuição ou recusa para frequentar ambientes sociais que faziam parte da rotina do idoso;

• Demora em responder algo;

• Não manter diálogo;

• Não se atentar a sons de proteção como: Buzina; panela de pressão entre tantos outros sinais;

• Queixa de zumbidos;

• Dificuldade de compreender o que estão falando;

• Pedir para repetirem ou falar mais alto;

• Assistir TV ou ouvir rádio com o volume mais elevado que o habitual;


Os familiares e a rede de apoio aos idosos devem sempre estar atentos a alguns destes sinais que privam o indivíduo das relações de comunicação social.

Vale mencionar, a importância da comunicação ativa para a prevenção de doenças de ordem emocional: como, por exemplo, a depressão que pode se agravar pela falta de tratamento com a perda auditiva.

Para tanto, é de extrema importância a realização de exames audiológicos, para identificação da forma mais precoce possível das alterações no sistema auditivo e as perdas auditivas. A avaliação audiológica, de forma precisa, identificará o Tipo e o Grau da Perda Auditiva, se comprometeu uma ou as duas orelhas, além é claro, das considerações do histórico do paciente e o momento da realização do exame.

Entender sobre o Sistema Auditivo em sua funcionalidade, os diversos prejuízos gerados ao indivíduo em razão da privação sonora provocada pela Perda Auditiva, darão ao idoso e seus familiares ou rede de apoio a compreensão de como lidar com a Perda de Audição, ajudando a melhor aceitação do uso de aparelhos auditivos, uma vez que, estes passam a ser uma necessidade para a readaptação social pós perda auditiva.

É de fundamental importância neste processo, o suporte do profissional da área de Fonoaudiologia Audiologista da Direito de Ouvir para a seleção dos Aparelhos Auditivos, garantindo a personalização, orientações quanto ao manejo, cuidados com a prótese, todos os ajustes sonoros e manutenções necessários para melhor conforto e adaptação dos Aparelhos Auditivos.

 Somos mais que profissionais da comunicação, somos da escuta e do acolhimento e, neste processo, todo o suporte fará grande diferença.

“Vamos todos ajudá-los a somar com qualidade vida aos anos, e não apenas anos a vida”.

Fonoaudióloga Priscila Canevari Reis
CRFª:15.161



Marcadores
Aparelhos auditivos Perda auditiva
Nós usamos seus dados para analisar e personalizar nossos anúncios e serviços durante sua navegação em nossa plataforma. Ao continuar navegando pelo site Direito de Ouvir você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las