Categoria: Perda Auditiva.

vinho-tinto-reduz-perda-auditiva

 

Resveratrol, uma substância encontrada em uvas vermelhas e no vinho tinto, pode ter o potencial para prevenir a perda auditiva e o declínio cognitivo. É o que indica um do Henry Ford Hospital, em Detroit, nos Estados Unidos.

O estudo mostrou que os ratos saudáveis ​​foram menos propensos a sofrer com os efeitos, a longo prazo, da perda auditiva induzida por ruído quando receberam doses de resveratrol antes da exposição prolongada aos barulhos.

“Nosso último estudo se concentra em resveratrol e seu efeito sobre a resposta inflamatória  do corpo a lesões e algo que se acredita ser a causa de muitos problemas de saúde, incluindo a doença de Alzheimer, câncer, envelhecimento e perda auditiva”, diz o autor do estudo, Michael D. Seidman, Diretor da Divisão de Cirurgia Otológica / Neurotologica do Departamento de Otorrinolaringologia, Cabeça e Pescoço do Hospital Henry Ford.

“O resveratrol tem uma química muito poderosa que parece proteger contra processo inflamatório do corpo, que está relacionado com o envelhecimento, a cognição e a perda de audição.”

Perda auditiva: problema comum

A perda auditiva afeta quase um em cada cinco americanos. No Brasil estima-se que as deficiências auditivas afetem 10 milhões de brasileiros. Para a maioria, a acuidade auditiva diminui com a idade, mas existem outros tipos de perda auditiva.

Basicamente, existem duas categorias de perda auditiva: condutora, que envolve anomalias na transmissão do som nos ouvidos médio e externo e neurossensorial, envolvendo o ouvido interno. Geralmente a perda condutiva pode ser corrigida. Já a neurossensorial é muito mais difícil de tratar. A perda auditiva condutiva pode acontecer, por exemplo, quando a cera impede os sons de chegarem ao ouvido interno, onde são transformados em impulsos nervosos elétricos transmitidos para o cérebro. Ferimentos no tímpano e infecções do ouvido médio também podem causar perda de audição condutiva. Na perda neurossensorial há falha do nervo auditivo.

No caso da perda auditiva induzida por ruído, as células e nervos do ouvido interno são desgastados por exposição contínua a sons altos, danificando a sua audição permanentemente. É o mesmo que acontece em um processo de envelhecimento.

Impacto da perda auditiva

De uma maneira geral, a perda auditiva não apenas causa impacto na capacidade de uma pessoa para ouvir, mas também pode causar problemas de sono, interferir na comunicação, e provocar doenças cardíacas relacionadas ao aumento da pressão sanguínea, de lipídios e de açúcar no sangue.

A pessoa com perda auditiva tem dificuldade de interagir com outras pessoas e, normalmente, acaba se isolando. Por que ir a uma reunião familiar se ela não entende o que as pessoas ou dizem ou se até mesmo é alvo de brincadeiras ou chacotas? Por isso a perda também está muito relacionada a casos de depressão. Quem tem perda auditiva também tem mais chance de desenvolver demências e Alzheimer – uma pesquisa desenvolvida na Faculdade de Medicina Johns Hopkins, dos Estados Unidos, mostrou, por exemplo, que a cada dez decibéis perdidos de audição, os riscos de demência aumentam 27%.

Benefícios do resveratrol

Seidman e seus colegas publicaram vários trabalhos que exploram a perda auditiva induzida por ruído, bem como a utilização de resveratrol. O último estudo concentra-se no processo inflamatório, uma vez que se relaciona com o envelhecimento, a cognição e a perda de audição.

O resveratrol tem outros benefícios. Na dose certa – duas taças diárias para homens e uma para mulheres -, o vinho tinto também pode ajudar a protege o coração e o cérebro.

Saiba mais sobre a PAIR (Perda Auditiva Induzida por Ruído)

Conheça alimentos que influenciam na saúde auditiva