Categoria: Perda Auditiva.

Aparelho Auditivo Aparelhos Auditivos Perda de audiu00e7u00e3o pode causar isolamento e depressu00e3o em idosos

Por não ouvir bem, a pessoa idosa muitas vezes não consegue conversar e compartilhar ideias e pensamentos.

Por não ouvir bem, a pessoa idosa muitas vezes não consegue conversar e compartilhar ideias e pensamentos. Assim, pode acabar se isolando do convívio social e familiar, tornando-se deprimida e perdendo o interesse por atividades que sempre realizou ao longo da vida.

Existem algumas estratégias utilizadas por médicos otorrinolaringologistas para ajudar um paciente a voltar a ouvir. A indicação do aparelho auditivo é uma das mais comuns. No caso dos idosos, a perda auditiva ocorre, na maioria das vezes, em razão de mudanças degenerativas naturais do envelhecimento, chamadas de presbiacusia.

Por não ouvir bem, a pessoa idosa muitas vezes não consegue conversar e compartilhar ideias e pensamentos. Assim, pode acabar se isolando do convívio social e familiar, tornando-se deprimida e perdendo o interesse por atividades que sempre realizou ao longo da vida, simplesmente porque não consegue entender o que os outros estão dizendo. A deficiência auditiva pode então trazer um sentimento de baixa autoestima.

Muitas vezes, o idoso finge estar escutando quando, na verdade, não está. É comum, por isso, seus familiares o descreverem como distraído, confuso ou até zangado e irritadiço. Mas a falha na audição pode ser corrigida se for tratada corretamente. A indicação dos aparelhos auditivos é um procedimento médico e a fonoaudióloga especialista em audição seleciona e adapta os aparelhos ao paciente.

“O uso diário do aparelho e o apoio da família são essenciais para que o indivíduo resgate sua qualidade de vida, mas somente o profissional especializado poderá fazer a indicação do melhor aparelho”, lembra a fonoaudióloga Isabela Gomes.

De acordo com a especialista, quando as vias auditivas não são estimuladas acabam perdendo a capacidade de processar os sons, fato que contribui para dificuldades de atenção e memória. A dificuldade em ouvir e entender exige maior esforço para a comunicação. “Quando a perda auditiva é de longa data, mesmo que o som volte com o aparelho auditivo, o paciente tem dificuldades de compreensão. Em alguns casos, há necessidade de treinamento para que o paciente possa reaprender a ouvir”, explica a fonoaudióloga.

Fatores como idade, intensidade e tempo da perda auditiva, além da saúde geral, influenciam a adaptação ao aparelho. Mas em curto período de uso o paciente já sente que o aparelho auditivo faz parte do seu cotidiano.

Muitos resistem em usar próteses de audição, mas o preconceito está associado à falta de informação sobre os avanços tecnológicos na área. Atualmente os aparelhos auditivos são minúsculos; alguns ficam até mesmo completamente invisíveis, dentro do canal auditivo, que não interferem na aparência do indivíduo.

“Ouvir uma música, acompanhar as novelas, o noticiário na TV, conversar com amigos e parentes, tudo isso é muito importante para o idoso se sentir estimulado para a vida. O uso do aparelho não só ajuda a restaurar a audição como devolve a alegria de viver. Os relacionamentos ficam muito melhores e o usuário participa intensamente das conversas. A qualidade de vida dá um salto. Por isso, os familiares devem dar o primeiro passo, ajudando os mais velhos a procurar logo uma ajuda médica”, conclui a fonoaudióloga Isabela Gomes.

Fonte: www.arquivo.dm.com.br