Categoria: Imprensa.

Aparelho Auditivo Aparelhos Auditivos Direito de Ouvir Inauguração do Museu

Lançamento da mostra do único Museu do Aparelho Auditivo no Brasil realizada no dia 05/11/2013, no Museu Municipal de Franca.

Único do gênero no Brasil e o quarto maior do mundo, o Museu do Aparelho Auditivo tem sua sede na cidade de Franca, interior do Estado de São Paulo. Atualmente são mais de 700 itens museológicos, bibliográficos e arquivísticos à disposição para o descobrimento e conhecimento da história e do avanço tecnológico dos aparelhos auditivos.

Durante a visita você terá a oportunidade de aprender e explorar o mundo dos aparelhos auditivos adquiridos em mais de 13 países da América do Norte, Ásia e Europa. Dentre essas peças está o Audiphone,um aparelho fabricado na França datado de 1890, considerado uma raridade.

Destaques do acervo do museu

Quando falamos no Museu do Aparelho Auditivo estamos nos referindo ao principal acervo do Brasil e o 4º do mundo. Os demais são o de Buenos Aires (Argentina), o de Stewartstown (Estados Unidos) e o de Lübeck (Alemanha).

O Museu do Aparelho Auditivo conta além da exposição permanente com exposição itinerante e todo o acervo disponibilizado virtualmente, no qual apresenta pela primeira vez ao público o conjunto completo de itens desta valiosa coleção. Entre os destaques está uma réplica do uma réplica inédita do trono auditivo de D. João VI.

O trono, projetado a pedido do empresário e colecionador Frederico Abrahão, CEO da Direito de Ouvir Amplifon – empresa que é curadora do Museu do Aparelho Auditivo, levou seis meses apenas para ser esculpido em madeira de lei. Para que ele ficasse exatamente como a peça original, a equipe do museu elaborou uma série de pesquisas históricas sobre o trono que atualmente está em Portugal.

“O Museu do Aparelho Auditivo proporciona conhecimento sobre a história e a evolução dos aparelhos auditivos, ferramentas tão importantes na promoção de saúde e bem estar para milhões de pessoas no Brasil e em todo o mundo. O trono acústico vai agregar ainda mais valor a todo esse acervo importantíssimo, lançando luz, inclusive, sobre um momento muito importante da história Brasil e Portugal”, diz Frederico Abrahão.

A história do trono auditivo

O trono acústico original foi projetado por uma empresa de Londres (Inglaterra) que levava o nome de Frederick C. Rein para atender às necessidades do rei João VI de Portugal. Historiadores dizem que ele parece ser uma cópia da primeira cadeira acústica inventada por M. Duguet para surdos incuráveis na França em 1706.

Percebendo que precisava de um dispositivo para ajudá-lo a se comunicar melhor com seus súditos, D. João VI encomendou à empresa de Frederick Rein uma cadeira acústica, em 1819, que foi entregue um ano depois e usada em ambos os países: Brasil e Lisboa.

Como funcionava o trono

Uma vez que o trono foi encomendado para uso de um rei, Frederick Rein teve que pensar sobre uma forma de ele refletir o status do usuário importante. Para esse efeito, ele escavou os braços da cadeira e esculpiu para representar as bocas abertas de leões grotescos.

Os braços também funcionavam como receptores de som, agindo da mesma forma que pequenas cornetas acústicas. O som, em seguida, era transportado para a parte de trás da cadeira, onde um tubo colocado na parte superior levava o som até a orelha do rei. João VI usou o dispositivo até sua morte em 1826. A cadeira foi equipada com um aparato o escondido debaixo do assento, que tinha um receptor que transmitia o som através de um único tubo escondido na parte de trás do trono. Os visitantes do rei eram obrigados a ajoelhar-se diante da cadeira e a falar diretamente para os leões.

O rei supostamente usava sua cadeira acústica em audiências com nobres e plebeus com o público durante o tempo em que viveu no Brasil e em Lisboa. Este costume foi chamado de “beija-mão” e fez o rei muito popular. Justamente por sua popularidade, ele achava importante ouvir e responder às preocupações de seu povo.

Uma réplica da cadeira original também está sediada no escritório da Amplifon em Londres. A boa notícia para os brasileiros é que não é mais preciso ir até a Europa para conferir essa peça tão curiosa! Basta agendar uma visita ao Museu do Aparelho Auditivo